TV SERIES REVIEW: "Euphoria" (2019–)

in hive-148441 •  last month  (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

What's on Netflix

Created by Sam Levinson, the series was based on an Israeli program of the same name (Hebrew: אופוריה) and keeps all of its spotlights aimed at the routine of a group of high school students amidst the exploration and the aftermath. of their discoveries when they begin to want to broaden their friendships and discover new loves within a world where drugs and sex are major - and fastest - ways of accessing what they are looking for at any cost.

Make no mistake about this common plot that guides the series, because this is one of the adjectives that really doesn't match it (and the way it is worked out by the directors throughout its 9 episodes). What might have been an ordinary and cliché-filled narrative, in particular, is extremely challenging and striking in its outline, along with the trajectory of protagonist Rue: a 17-year-old girl fresh from rehab (after suffering from an overdose) and who suffers from constant depression (which drives her right back into the drug world).

Things get even more complicated when even having the support of mother and sister to overcome these problems, she can only feel freer when she meets Jules (a transgender girl who recently went to the same city) and the strong bond of friendship. raised by them, Rue finds herself in love with her new friend. This is the main narrative arc that kicks off everything to come in the series (which definitely saves absolutely nothing when it decides to bring up issues that are still seen as true taboos in the most conservative society).

SpinOff

Those people who follow the HBO series are usually not surprised by the themes that their productions decide to address (and this series is yet another material to prove it). In general, all have a certain degree of controversy that naturally end up arousing the curiosity of viewers... But this time, the broadcaster managed to gain extra attention because what could only be seen as another teen series actually turns out to be as a series that is not suitable for this audience (and that is clear from its first episode) for choosing to follow a heavier line and that certainly will not please many people.

The various types of traumas that are shown and experienced by the characters (incidentally, here is a very interesting range of them, each with particular problems and unique and well defined personalities, which together... add even more strength to the quality of the construction). narrative of the series in its various contexts) see social media as an intense and dangerous means of propagation to intensify the most relevant events of the plot. This shows that the producers are completely concerned and connected to making a direct connection of the show to the audience on the other side of the TV.

TVLine

Although it is a really heavy series (and it does not perform any kind of ceremony to disguise it), what makes it an important and worthy of watching (reaffirming its importance in today's society scenario) is its dramatic burden that It channels itself in dynamic ways, affecting and unleashing in its characters feelings and reactions that can be seen and felt in the real world. It is the purest reality represented on screen through an aesthetic that flirts with the experimental side of art, witfully mixing a neat cinematography and a disquieting mood.

Among the main ones surrounding the series, I highlight: depression, bullying, drugs, family relationships, alcoholism, machismo, toxic relationships and sexuality. But don't expect to find here some sort of glamorization of these themes or even a representation of them for free (in the sense of just wanting to impact - visually speaking - who you're watching), because there is a remarkable care in the base that serves as the basis construction for the texts of each episode, making each person reflect in a transparent way about the potentiality of their acts. None of the subjects are merely illustrative or treated with disrespect or opportunism, it is a very well thought out and accomplished work.

Vox

The slower moments in the series also hold great surprises and help balance the pace of things, because even when episodes fly low (that is, they alleviate the most controversial themes and scenes), they are backed by situations that bring viewers moments where They can reflect more calmly and patiently on what is happening. This break in the pace of the series is great because there is time for people to digest some themes that really need a little more time to absorb (and even better understood in their complexity).

This counterbalance is necessary (being a very assertive decision by the producers, writers and directors) because the excess of controversial material over the episodes can really bother and despite this being one of the goals of the series (something that it does with mastery by the way) investing in them alone would be an appealling and unforgivable mistake because considering the fact that they are - in fact - the essential background to illustrate the problems inherent in them... They can't forget that they are just part of the ingredient of the recipe and not the finished product ready for consumption.

Black Nerd Problems

Technically, the series invests in a stylish and flashy look. The mode chosen for filming the scenes is clever and prioritizes a very faithful approach to the facts, that to the sound of a soundtrack with relevant songs (referring to the characters themselves) and a competent acting of the cast (in particular, Zendaya... who, so far, delivers her best work of her career) make Euphoria a sad and brutal - but necessary - portrait of an empty, troubled generation that incessantly seeks some form of acceptance in a world full of currents and dictated by who has the most influence (not taking into account their respective ways of thinking and / or acting).


CRÍTICA DE SERIE (TV): "Euphoria" (2019–)

Creada por Sam Levinson, la serie se basó en un programa israelí del mismo nombre (en hebreo: אופוריה) y mantiene todos sus focos dirigidos a la rutina de un grupo de estudiantes de secundaria en medio de la exploración y las secuelas de sus descubrimientos cuando comienzan a querer ampliar sus amistades y descubrir nuevos amores en un mundo donde las drogas y el sexo son las formas más importantes - y más rápidas - de acceder a lo que están buscando.

No se equivoque sobre esta trama común que guía la serie, porque este es uno de los adjetivos que realmente no coincide (y la forma en que los directores lo resuelven a lo largo de sus 9 episodios). Lo que podría tener una narrativa ordinaria y llena de clichés adquiere contornos extremadamente desafiantes y contundentes a través de lo que podemos ver junto con la trayectoria de la protagonista Rue: una niña de 17 años recién rehabilitada (después de una sobredosis) y quien sufre de depresión constante (que la lleva de regreso al mundo de las drogas).

Las cosas se vuelven aún más complicadas cuando incluso con el apoyo de madre y hermana para superar estos problemas, solo puede sentirse más libre cuando conoce a Jules (una niña transgénero que recientemente fue a la misma ciudad) y el fuerte vínculo de amistad. criada por ellos, Rue se encuentra enamorada de su nueva amiga. Este es el arco narrativo principal que inicia todo lo que viene en la serie (que definitivamente no ahorra nada cuando decide plantear temas que todavía se consideran verdaderos tabúes en la sociedad más conservadora).

Los que siguen la serie de HBO generalmente no están sorprendidos por los temas que sus producciones deciden abordar (y esta serie es otro material para probarlo). En general, todos tienen un cierto grado de controversia que naturalmente despierta la curiosidad de los espectadores ... Pero esta vez, la estación logró ganar atención adicional porque lo que podría verse como otra serie de adolescentes, de hecho, resulta ser como una serie que no es adecuada para esta audiencia (y eso está claro desde su primer episodio) para elegir seguir una línea más pesada y que ciertamente no complacerá a muchas personas.

Los diversos tipos de traumas que muestran y experimentan los personajes (por cierto, aquí hay una gama muy interesante de ellos, cada uno con problemas particulares y personalidades únicas y bien definidas, que juntas... agregan aún más fuerza a la calidad de la construcción). narrativa de la serie en sus diversos contextos) ven las redes sociales como un medio de propagación intenso y peligroso para intensificar los eventos más relevantes de la trama. Esto muestra que los productores están completamente preocupados y conectados a hacer una conexión directa del programa con la audiencia al otro lado del televisor.

Aunque es una serie realmente pesada (y no realiza ningún tipo de ceremonia para disfrazarla), lo que la hace algo importante y vale la pena ver (reafirmando su importancia en el escenario actual de la sociedad actual) es su dramática carga que Se canaliza de manera dinámica, afectando y desencadenando en sus personajes sentimientos y reacciones que se pueden ver y sentir en el mundo real. Es la realidad más pura representada en la pantalla a través de una estética que coquetea con el lado experimental del arte, mezclando ingeniosamente una cinematografía ordenada y un estado de ánimo inquietante.

Entre los principales que rodean la serie, destaco: depresión, bullying, drogas, relaciones familiares, alcoholismo, machismo, relaciones tóxicas y sexualidad. Pero no espere encontrar aquí algún tipo de glamour de estos temas o incluso una representación libre de ellos (en el sentido de querer impactar - visualmente - hablando, en la audiencia), porque hay una atención notable en la base que sirve como un bloque de construcción para los textos de cada episodio, haciendo que cada personaje reflexione de manera transparente sobre la potencialidad de sus actos. Ninguno de los temas es meramente ilustrativo o tratado con falta de respeto u oportunismo, es un trabajo muy bien pensado y realizado.

Los momentos más lentos de la serie también tienen grandes sorpresas y ayudan a equilibrar el ritmo de las cosas, porque incluso cuando los episodios vuelan bajo (es decir, alivian los temas y escenas más controvertidos), están respaldados por situaciones que brindan momentos a los espectadores donde Pueden reflexionar con más calma y paciencia sobre lo que está sucediendo. Esta ruptura en el ritmo de la serie es excelente porque hay tiempo para que las personas digieran algunos temas que realmente necesitan un poco más de tiempo para absorber (y aún mejor entendidos en su complejidad).

Este contrapeso es necesario (siendo una decisión muy asertiva por parte de los productores, escritores y directores) porque el exceso de material controvertido sobre los episodios realmente puede molestar y, a pesar de ser uno de los objetivos de la serie (algo que hace con dominio por cierto) invertir solo en ellos sería un error espantoso e imperdonable porque teniendo en cuenta el hecho de que son - de hecho - el trasfondo esencial para ilustrar los problemas inherentes a ellos... No se puede olvidar que son solo parte de los ingredientes de la receta y no su producto final listo para ser consumido.

Técnicamente, la serie invierte en un aspecto elegante y llamativo. El modo elegido para filmar las escenas es inteligente y prioriza un enfoque muy fiel a los hechos, que al sonido de una banda sonora con canciones relevantes (en referencia a los propios personajes) y una actuación competente del elenco (en particular, Zendaya... que, hasta entonces, ofrece su mejor trabajo de su carrera) hace de Euphoria un retrato triste y brutal - pero necesario - de una generación vacía y problemática que busca sin cesar alguna forma de aceptación en un mundo dictado y encadenado quién tiene la mayor influencia (sin tener en cuenta sus respectivas formas de pensar y / o actuar).


CRÍTICA DE SÉRIE (TV): "Euphoria" (2019–)

Criada por Sam Levinson, a série foi baseada em um programa israelense de mesmo nome (em hebraico: אופוריה) e mantém todos os seus holofotes apontados para à rotina de um grupo de adolescentes, estudantes do Ensino Médio, em meio à exploração e as consequências de suas descobertas quando eles começam a querer ampliar as suas amizades e descobrir novos amores dentro de um mundo onde as drogas e o sexo são principais vias - e mais rápidas - de acesso para conseguir o que eles buscam.

Não se engane por esse plot comum que norteia a série, porque esse é um dos adjetivos que realmente não combinam em nada com ela (e nem com a forma com ela é trabalhada pelos diretores ao longo dos seus 9 episódios). O que potencialmente poderia ter uma narrativa ordinária e repleta de clichês, ganha contornos extremamente desafiadores e contundentes através do que podemos constatar acompanhado a trajetória da protagonista Rue: uma jovem de 17 anos recém saída de uma clínica de reabilitação (após ter sofrido uma overdose) e que sofre com uma constante depressão (motivo que a joga de volta direto ao mundo das drogas).

As coisas ficam ainda mais complicadas quando mesmo tendo o apoio da mãe e da irmã para superar esses problemas, ela só consegue se sentir mais livre quando conhece Jules (uma garota transexual que se murou recentemente para a mesma cidade) e pelo forte laço de amizade criado por elas, Rue se vê apaixonada pela nova amiga. Esse é o principal arco narrativo que dá o ponta pé inicial a tudo o que está por vir na série (que definitivamente não economiza em nada quando decide trazer à tona assuntos que ainda são vistos como verdadeiros tabus perante a sociedade mais conservadora).

Quem acompanha as séries da HBO geralmente não costuma se surpreender com os temas que às suas produções decidem abordar (e esta série é mais um material que comprova isso). Em geral, todas tem um certo grau de polêmica que naturalmente acabam despertando a curiosidades das telespectadores... Mas desta vez, a emissora conseguiu ganhar uma atenção extra porque o que poderia ser visto apenas como mais uma série adolescente, na verdade, se mostra como uma série que não é indicada para esse público (e isso fica claro desde o seu primeiro episódio) por optar seguir uma linha mais pesada e que certamente não vai agradar à muitas pessoas.

Os diversos tipos de traumas que são mostrados e vivenciados pelos personagens (aliás, aqui encontra-se uma gama bem interessante deles, cada um com problemas particulares e personalidades únicas e bem definidas, que juntos... adicionam ainda mais força a qualidade da construção narrativa da série em suas mais variadas contextualizações) vêem nas mídias sociais um intenso e perigoso meio de propagação para intensificar os acontecimentos mais relevantes da trama. Isso demonstra que os produtores estão completamente preocupados e conectados em fazer uma conexão direta da série com o público do outro lado da TV.

Embora seja uma série realmente pesada (e ela não faz nenhum tipo de cerimônia para disfarçar isso), o que a torna em algo importante e que merece ser assistido (reafirmando à sua importância no cenário atual da sociedade vigente) é a sua carga dramática que se canaliza de maneiras dinâmicas, afetando e desencadeando em seus personagens, sentimentos e reações que podem ser vistas e sentidas no mundo real. Trata-se da mais pura realidade representada na tela através de uma estética que flerta com o lado experimental da arte, misturando com muita sagacidade uma cinematografia caprichada e um clima inquietante.

Dentre as principais que cercam a série, eu destaco: depressão, bullying, drogas, relações familiares, alcoolismo, machismo, relacionamentos tóxicos e sexualidade. Mas não espere encontrar aqui uma espécie da glamourização desses temas ou até mesmo uma representação deles de forma gratuita (no sentido de apenas querer impactar - visualmente falando - a quem está assistindo), porque existe todo um notável cuidado na base que serve de construção para os textos de cada episódio, fazendo com que cada personagem reflita de forma transparente acerca da potencialidade de seus atos. Nenhum dos assuntos se faz meramente ilustrativo ou é tratado com desrespeito ou oportunismo, trata-se de um trabalho muito bem pensado e realizado.

Os momentos mais lentos da série também guardam ótimas surpresas e ajudam equilibrar o ritmo da coisas, porque mesmo quando os episódios voam baixo (ou seja, aliviam nos temas e nas cenas mais polêmicas), eles são respaldados por situações que trazem ao telespectador momentos onde eles podem refletir com mais calma e paciência tudo o que está acontecendo. Esse freio no ritmo da série é ótimo porque há tempo para as pessoas digerirem algumas temáticas que realmente precisam de um pouco mais de tempo para serem absorvidas (e até melhor compreendidas em sua complexidade).

Esse contrapeso se faz necessário (sendo uma decisão bem assertiva dos produtores, roteiristas e diretores) porque o excesso de material polêmico ao longo dos episódios pode realmente incomodar e apesar desse ser um dos objetivos da série (algo que por sinal ela faz com maestria), investir apenas neles seria um erro apelativo e imperdoável porque considerando o fato de que eles são - de fato - o plano fundo essencial para ilustrar as problemáticas que lhes são inerentes... Não se pode esquecer que eles são apenas partes dos ingredientes da receita e não o seu produto final pronto para consumo.

Tecnicamente, a série investe em um visual estiloso e chamativo. O modo escolhido para filmar as cenas é inteligente e prioriza uma abordagem muito fiel aos fatos, que ao som de uma trilha sonora com músicas relevantes (fazendo referência aos personagens em si) e uma atuação competente do elenco (em especial, Zendaya... que, até então, entrega o seu melhor trabalho de sua carreira) fazem de Euphoria um triste e brutal - porém necessário - retrato de uma geração vazia, problemática e que de forma incessante busca alguma forma de aceitação em um mundo cheio de correntes e ditado por quem tem mais influência (não levando em consideração às suas respectivas maneiras de pensas e/ou agir).

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
Sort Order:  

This post is shared to Twitter in support of @ocd and @ocdb's #posh initiative.

https://twitter.com/wiseagent_apo/status/1267638527329796096

I loved this series, it is unique, teenagers with real problems, it is not for pink tastes, my favorite characters Fezco, Kat, Ashtray, Maddie, Cassie, excellent zendaya but it is not my favorite character, recommended 100%.

Yeah, this TV series is awesome!